CAOA Chery Tiggo 2 2021

Versões Tiggo 2 2021

Tiggo 2 2021Look 1.5

Resumo

Versão de entrada com motor 1.5 flex e câmbio manual de 5 marchas. Tem ar digital, controle de estabilidade e tração, kit multimídia e freios a disco nas quatro rodas.

Tiggo 2 2021Look 1.5 AT

Resumo

Versão com motor 1.5 flex e câmbio automático de 4 marchas. Em equipamentos acrescenta piloto automático e câmera de ré com sensor de estacionamento.

Tiggo 2 2021ACT 1.5 AT

Resumo

Mesmo conjunto mecânico da Look AT, mas acrescenta em equipamentos de conforto bancos em couro e teto solar elétrico e tem assistente de partida em rampas.

Resumo Tiggo 2 2021:

Lançado na China em 2009, o Chery Tiggo 2 chegou ao Brasil no ano de 2019, ainda com a montadora sobre controle do grupo chinês. Com a aquisição da Chery Brasil pelo grupo Caoa, o carro chegou com o nome Caoa Chery Tiggo 2 e ganhou remodelação em 2019 e foi o primeiro modelo lançado no Brasil já sob o controle do grupo Caoa. O Chery Tiggo 2 é produzido tanto na fábrica da Caoa Chery em Jacareí, no interior de São Paulo, quanto na da Hyundai na cidade de Anápolis em Goiás. Atualmente o Chery Tiggo 2 2021 é comercializado em três versões com a mesma motorização, a versão de entrada Look tem opções com câmbio manual e automático e a versão topo de linha ACT está disponível com câmbio automático.

Na dianteira do Chery Tiggo 2 2021, o farol dianteiro tem desenho muito mais bem resolvido que seus concorrentes e também tem melhor funcionamento com as guias em LED, típicas do carro da Caoa Chery. O conjunto da dianteira ainda tem para-choque bem robusto dando até impressão de ser um SUV mais forte do que realmente é e faróis de milha dentro de grades pretas, na parte inferior da grade dianteira um detalhe cromado também ajuda no visual. As rodas são de liga leve e 16 polegadas em todas as versões, mas na versão topo de linha ACT, elas são polidas, o que dá um pouco mais de estilo à versão. Na lateral, repetidor de seta nos retrovisores e a máscara negra envolve todo o carro, junto com as barras de teto que são flutuantes, o visual no geral é bastante agradável. Somente na traseira o estilo SUV dá um pouco de espaço para parecer um hatch compacto, mas para só é uma impressão, a tampa do porta-malas é bastante maior e o para-choques é característico de um SUV, bem marcado, grande e com detalhes em preto. As lanternas traseiras são únicas e divididas em duas partes como costumam ser nos SUVs, o que talvez gere esta impressão de hatch, mas o conjunto é bem harmônico com o característico filete cromado da Caoa Chery na traseira que vai de lanterna a lanterna. Como opcional o Caoa Chery Tiggo 2 tem o teto bicolor que dá uma boa impressão e deixa o spoiler traseiro ainda mais destacado, já que mesmo quando não há este opcional ele é bicolor. Na versão topo de linha, o Caoa Chery Tiggo 2 ACT 2021 traz novas rodas de liga leve com acabamento em preto e adesivos nas portas traseiras, deixando o carro com mais estilo ainda.

O motor do Caoa Chery Tiggo 2 2021 é um 1.5 flex de 16 válvulas com 115 cavalos de potência máxima. As opções de câmbio se mantém bastante retrógradas, tendo a possibilidade de um câmbio manual de 5 marchas ou o antiguíssimo automático de 4 marchas, já aposentado em muitos carros do mercado brasileiro. A tração é dianteira.

No desempenho, o Caoa Chery Tiggo 2 2021 tem números bastante modestos, mas é algo que acontece com seus concorrentes também, o carro alcança a velocidade máxima de 170 km hora e acelera de 0 a 100 km hora em 15 segundos. Já o consumo fica bastante aquém do que um SUV compacto deveria entregar, assim como todos os carros da Caoa Chery, o Tiggo 2 é gastão. Quando abastecido com etanol ele roda 6,9 km/litro na cidade e 8 km/litro na estrada e com gasolina 10,9 e 11,9 km/litro nestas mesmas condições, recebendo avaliação D pelo INMETRO, que é a pior nota para consumo.

Com o vão livre de 18,6 centímetros, fica um pouco para trás de muitos concorrentes que chegam mais próximo dos 20 centímetros, o que conta na hora de dirigir um carro com proposta SUV, mesmo que do segmento compacto e de preço bastante acessível. O volante conta somente com regulagem de altura, outra falha nos projetos da Caoa Chery que não oferece a regulagem em profundidade nem nos seus carros topo de linha. O câmbio não tem botão para troca de marchas e acaba operando quase como um câmbio manual para troca das marchas. A direção apesar de ser hidráulica é bem leve. O nível de ruído é muito alto quando o motor é exigido em ultrapassagens ou arrancadas mais rápidas, o mesmo que acontece com muitos de seus concorrentes. No conjunto a dirigibilidade é razoável, mas fica empatado com seus concorrentes que tampouco são grandes exemplos de prazer ao dirigir.

Com entre-eixos de 2,55 centímetros, o Caoa Chery Tiggo 2 2021 tem espaço interno dentro da média da categoria, o túnel central é um pouco elevado o que dificulta mais ainda levar o quinto passageiro. No geral, o carro é bastante simples, mas confortável para quatro passageiros. O porta-malas de 420 litros está um pouco acima da média da concorrência e carrega tranquilo quatro malas médias.

Nos equipamentos, além do trivial, vidros, travas e retrovisores elétricos e alguns itens de conforto, no geral, o Caoa Chery Tiggo 2 entrega mais equipamentos que seus concorrentes, dentre os itens de série já na versão de entrada. O volante é forrado em couro e o ar-condicionado é eletrônico, desde a versão Look AT, intermediária vem com piloto automático. Isto pode parecer pouco, mas estamos falando de um SUV compacto de entrada da marca e de um mercado no Brasil que tem carros bastante espartanos neste segmento. Além destes equipamentos, na versão ACT, topo de linha, os bancos são em couro e o SUV vem com teto solar elétrico. Todas as versões do Caoa Chery Tiggo 2 2021 passam a vir com volante multifuncional, algo que não era oferecido na versão de entrada.

O console apesar do excesso de plástico tem as peças bem encaixadas e o visual agrada bastante, com as saídas de ar com excelente aerodinâmica, a tela do kit multimídia e os comandos manuais do ar-condicionado mais abaixo. O kit multimídia tem tela de 8 polegadas com espelhamento para celulares, Bluetooth e USB, apesar de ficar devendo GPS integrado, sai na frente de alguns concorrentes que não trazem o kit multimídia nas versões de entrada. O projeto chinês pode causar alguma estranheza quando você olhe a primeira vez para o painel do Caoa Chery Tiggo 2 2021, o conta-giros vai estar à sua direita e o velocímetro à sua esquerda com a tela digital do computador de bordo no centro, apesar de ser fácil se acostumar com esta disposição a Caoa Chery poderia ter adaptado para o padrão brasileiro.

O Caoa Chery Tiggo 2 também é mais equipado que seus concorrentes quando analisamos os itens de segurança, suas duas versões contam com os itens obrigatórios no mercado brasileiro, o duplo airbag, os ganchos Isofix e freios ABS. Além destes equipamentos contam com apoio de cabeça e cinto de segurança de três pontos para cinco passageiros, estabilidade de tração e estabilidade, indicador da pressão dos pneus e sensor traseiro de estacionamento. A partir da versão Look AT tem câmera de ré e na versão topo de linha há o assistente de partida em rampas. Ponto forte dos Caoa Chery e que não é diferente no Tiggo 2 são os freios a disco nas quatro rodas, o que nenhum concorrente traz.

Na mesma faixa de preço está o Jac T 40, mas o Tiggo 2 tem preço de manutenção mais acessível por ser fabricado no Brasil, além de ter uma maior rede de concessionárias. Além do Jac T40, Renault Duster e Citroen Air-Cross pela faixa de preço e tamanho do carro são os concorrentes mais diretos do Caoa Chery Tiggo 2, eles são os SUVs compactos que menos vendem, apesar de em apenas um ano de comercialização o Tiggo 2 já ter ultrapassado todos estes concorrentes. Isto faz ele entrar em competição com carros mais caros, mas que basicamente oferecem o mesmo, como Honda HR-V, o Hyundai Creta, o Citroen C4 Cactus e o Nissan Kicks, todos com muito mais estilo, mas que te pedem um cheque bastante maior na hora de fazer a compra.